Faculdade: as profissões do futuro

É inegável a transformação que a escola e o aprendizado faz na vida das pessoas.

É um eixo que liga o adolescente secundário, o jovem universitário e o profissional que está ciente de seu lugar na sociedade.

Com este post pretendo apresentar “algumas” profissões do futuro, ao mesmo tempo em que apresento também as novas formas de trabalho para o jovem que quer seguir, tanto uma carreira técnica, como aquele que quer também passar pela universidade.

Esse percurso pode ser realizado em escolas públicas, federais, em qualquer instituição de ensino, independente se for pelo ensino presencial ou a distância, uma vez que são legítimas tais formas de ensino-aprendizagem.

Em se tratando de mercado de trabalho, é possível perceber que ele passa por transformações que estão relacionadas

  • a mudanças sociais,
  • à evolução da tecnologia,
  • à globalização, e
  • a mudanças climáticas.

De maneira que, num futuro bem próximo, algumas profissões podem “sumir”, da mesma forma que novas poderão surgir.

Segundo um relatório intitulado The Future of Jobs, publicado pelo Fórum Econômico Mundial, em 2018, aponta para a mudança que está a ocorrer com a Quarta Revolução Industrial, especialmente nos setores de

  • inteligência artificial e aprendizado de máquina,
  • robótica,
  • nanotecnologia, ciência que se dedica ao estudo da manipulação da matéria numa escala atómica e molecular lidando com estruturas entre 1 e 1 000 nanômetros.
  • impressão 3D, e
  • genética e biotecnologia.

Tais profissões já causam impacto no mercado de trabalho, com grandes mudanças nas competências e habilidades pertinentes ao jovem que busca por uma profissão.

Entretanto, quando o assunto é a busca por uma profissão ou uma nova profissão, vale lembrar que  há um termo muito empregado hoje em dia e está relacionado à garantia e à permanência em uma profissão: a empregabilidade.

A empregabilidade está associada à capacidade que o jovem deve adquirir para se desenvolver profissionalmente, sem deixar de lado o relacionamento pessoal e o conhecimento.

É também o conhecimento e o comportamentos adquiridos que, reunidos, garantem êxito no mercado de trabalho.

Em outras palavras, ciente da sua empregabilidade, o jovem adquire auto confiança e tem noção de que está nele a decisão sobre sua vida, sua carreira.

Projeto SENAI

O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial – SENAI – empresa Integrante do Sistema Industrial ao lado da CNI, do SESI e do IEL – é o reconhecido como modelo de educação profissional e de qualidade dos serviços tecnológicos que promove a inovação na indústria brasileira. Pois bem, o SENAI fez uma projeção bastante positiva acerca das novas profissões do futuro e destacou trinta novas ocupações em oito áreas. Todas elas sob o impacto da Indústria 4.0.

A indústria 4.0 significa a integração do mundo físico e virtual, por meio de tecnologias digitais, como Internet das Coisas, big data e inteligência artificial.

As novas profissões abrangem profissionais de  nível médio ou superior, e suas perspectivas são embasadas na experiência da instituição e nos critérios de professores especialistas.

Tal método já foi estabelecido com sucesso em mais de vinte países na América do Sul e no Caribe.

Tanto é que essa metodologia já foi apontada pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico – OCDE e pela Organização Internacional do Trabalho – OIT como eficaz e bem sucedida na identificação da formação profissional em conjunto com as necessidades de cada país.

O SENAI espera que a divulgação afete diretamente jovens que estão em busca de carreiras  profissionais para atuarem.

O material produzido pela instituição também é uma boa referência para os jovens que têm uma percepção bastante ampla sobre as tendências e estão afoitos para se profissionalizarem e se qualificarem para o mercado de trabalho.

Geralmente são esses jovens, esse público tão apto às novas tecnologias, que certamente terão sucesso doravante.

Então observe agora quais são os segmentos que estão em alta e prometem transformar o mercado de trabalho.

setor automotivo

  • mecânico de veículos híbridos
  • mecânico especialista em telemetria
  • programador de unidades de controle eletrônicos
  • técnico em informática veicular

tecnologias  da informação e comunicação

  • analista de IoT – internet das coisas
  • engenheiro de cibersegurança
  • analista de segurança e defesa digital
  • especialista em big data
  • engenheiros de softwares

alimentos e bebidas

  • técnico em impressão de alimentos
  • especialista em aplicações de TIC para rastreabilidade de alimentos
  • especialista em aplicações de embalagens para alimentos

máquinas e ferramentas

  • projetista para tecnologia 3D
  • operador de High Speed Machine
  • programador de ferramentas CAD/CAM/CAE/CAI
  • técnico de manutenção em automação

construção civil

  • integrador de sistema de automação predial
  • técnico de construção seca
  • técnico em automação predial
  • gestor de logística de canteiro de obras
  • instalador de sistema de automação predial

química e petroquímica

  • técnico em análises químicas com especialização em análises instrumentais automatizadas
  • técnico especialista no desenvolvimento de produtos poliméricos
  • técnico especialista em reciclagem de produtos poliméricos

têxtil e vestuário

  • técnico de projetos de produtos de moda
  • engenheiro em fibras têxteis
  • designer de tecidos avançados

petróleo e gás

  • especialista em técnicas de perfuração
  • especialistas em sismologias e geofísica de poços
  • especialista para recuperação avançada de petróleo

Como se preparar?

Num mundo em constante transformação, é comum a diversidade de profissões.

Além disso, surgem também  as especializações, as técnicas que estão bastante associadas à formação  do indivíduo.

Ou seja, não basta apenas se formar, é preciso também se especializar.

De maneira que  cada profissional deve se adequar  e se adaptar, a fim de atender a tantas exigências e necessidades do mercado de trabalho.

Por isso ser tão importante saber lidar com os desafios de um novo mundo corporativo.

Ainda que o mundo esteja praticamente imerso num processo de automação e da inteligência artificial, é preciso que “alguém” faça a ligação entre o mundo virtual e real.

Outra coisa: por mais que haja um forte domínio da tecnologia, haverá muitas carreiras que irão depender somente do ser humano e de sua interação com os outros.

Fato é que o relacionamento interpessoal e inteligência emocional serão fundamentais em qualquer área.

Portanto, para se preparar para uma vida profissional é preciso

  • acompanhar as mudanças: ler, pesquisar, buscar informações relacionadas  à profissão almejada é uma maneira de se preparar profissionalmente.
  • descuidar do autoconhecimento: trata-se de um grave erro. Ao contrário, é preciso investir incessantemente na autognose.
  • ter discernimento do que gosta: por exemplo, trabalhar em grupo ou desenvolver o trabalho individualmente, se a interação é fator predominante para diversificar ideias ou o trabalho individual é benéfico, pois aumenta o nível de concentração.
  • a qualificação técnica: sempre imprescindível.
  • aprender sempre: o melhor caminho a seguir é o do aprendizado, portanto, buscá-lo é fundamental. É preciso construir o caminho que se quer percorrer.
  • interdisciplinaridade: ao mesmo tempo em que é preciso haver concentração no autoconhecimento, é bom investir num conhecimento mais geral,  por exemplo, política nacional e internacional, sustentabilidade, conhecimento da história, da ciência, letramento digital, como é o funcionamento das áreas afins, de maneira a adquirir uma visão mais ampla das coisas.
  • aprendizagem de novos idiomas: o inglês é muito importante, contudo, o aprendizado de  outros idiomas aumenta as chances no mercado de trabalho.
  • pró atividade: ter iniciativa, se empenhar em soluções.

Provavelmente, ao seguir esses pré-requisitos, é possível ao jovem  saber de antemão o que realmente quer.

E fica aqui uma dica:

conquistar um futuro baseado no trabalho e no conhecimento só trará satisfação.

Competências e habilidades

É muito comum nos processos de seleção e recrutamento o entrevistador visar à capacidade de o candidato se relacionar num ambiente de trabalho.

Por isso que, se o candidato tem conhecimento de suas competências e habilidades, o processo torna-se mais tranquilo.

Mas, do que se trata o termo habilidades? é a condição do ser humano em saber fazer, ou seja, são as qualidades que o profissional tem para realizar alguma atividade, por exemplo, ser pró ativo, ter boa comunicação, capacidade de liderança e análise, dentre outros.

Já as competências são um conjunto de habilidades e conhecimentos que, juntos, permitem que o candidato possa atuar satisfatoriamente numa determinada tarefa.

Uma competência é mais do que apenas conhecimento e habilidade. Competência, na realidade, é um conjunto de habilidades aprendidas e desenvolvidas capazes de caracterizar uma função específica. As competências de uma pessoa pode ser incorporada a uma habilidade.

Veja a seguir algumas habilidades e competências que auxiliam num currículo:

  • trabalho em equipe: nos ambientes corporativos, as equipes multidisciplinares são formadas, a fim de permitir a troca de conhecimento e experiência.
  • inteligência emocional: a partir do momento em que o profissional passa a se conhecer da mesma forma que conhece suas próprias emoções, naturalmente saberá agir em diversas situações.

Além disso, a inteligência emocional permite que o profissional reconheça as emoções e sentimentos do outro, aquele que talvez compartilhe com ele a mesma mesa, o mesmo ambiente ou faça parte de sua equipe.

Consequentemente, é possível lidar com o colega de trabalho de forma harmoniosa, de modo que as negociações se tornam mais fáceis, bem como as interações sociais.

Empatia

Trata-se de uma habilidade bastante especial, pois, quando o profissional se põe no lugar do outro, naturalmente, fica mais fácil saber qual foi a razão do colega ter determinada atitude, por exemplo.

A empatia é essencial também por possibilitar o entendimento  e a identificação de problemas e necessidades do outro. Nesse contexto, são então desenvolvidas soluções de fato eficazes.

Criatividade

Com essa habilidade é possível ao profissional apresentar novas ideias e soluções.

Pensamento crítico

É fundamental para avaliar o ponto de vista pessoal e o ponto de vista do outro.

É  quando o indivíduo é capaz de sempre refletir e de se auto avaliar primeiro para depois avaliar o outro e, assim, alcançar um equilíbrio.

Raciocínio lógico

É uma habilidade que permite ao profissional criar atalhos, ou seja, estar diante de uma situação, talvez, inicialmente, difícil, mas que, com perspicácia e raciocínio, encontrar uma solução plausível. Isso resulta em benefícios e crescimento profissional.

E, assim, de acordo com cada perfil e cada profissão, é possível perceber quais são as competências e habilidades que estão relacionadas à escolha de cada um.

Contudo, é possível ao candidato, diante desse quadro, se perguntar como alcançar habilidades e competências e como desenvolvê-las?

Bem, certamente muitas habilidades ele já tenha, pois elas são inatas, basta apenas identificá-las e desenvolvê-las. Para tanto, é preciso refletir sobre as seguintes ações, como:

  • saber de que realmente gosta e quais são as facilidades que encontra  em determinadas matérias ou campos do saber,
  • se manter sempre aberto à convivência e ao diálogo, seja com colegas ou familiares,
  • se está sempre aberto às novas escolhas,
  • se é estudioso, especialmente no campo de atuação,
  • se a ética e respeito estão presentes em suas decisões,

Se conseguir responder afirmativamente para 90% das ações, certamente, estará apto e a um passo à frente das inovações profissionais.

As profissões tradicionais na área da saúde

Para quem quer trabalhar com a área de saúde,  gosta de estudar, tem capacidade de concentração, capacidade analítica e gosta de pessoas, certamente fez a escolha correta.

Enfermagem: geralmente, são os enfermeiros os primeiros profissionais a receber o paciente no hospital, pois são eles que fazem a triagem com o paciente, até ser encaminhado ao médico.

É função do enfermeiro também fazer as medicações, acompanhar os médicos em seus atendimentos e cirurgias e oferecer todos os cuidados aos pacientes durante a estadia em um hospital.

Medicina: o médico cuida, diagnostica e ajuda a prevenir doenças dos pacientes. Todavia é uma profissão que exige muita dedicação, uma rotina que irá lhe acompanhar para o resto da vida. Ademais, o médico deve ser um profissional capaz de  analisar e diagnosticar pacientes com os mais variados sintomas e nas mais frágeis situações, prevenir doenças, realizar procedimentos cirúrgicos em situações adversas para salvar vidas.

O mercado de medicina e suas especialidades oferece opções bem amplas de atuação. O médico pode atuar no setor público e no privado, em hospitais públicos e privados, em clínicas médicas, postos de saúde, laboratórios, empresas, clubes esportivos e nas universidades.

Assistente social: profissional que valoriza o bem-estar individual e coletivo. Sua atuação abrange diversas áreas, como empresariais, hospitalares, carcerárias e entidades filantrópicas.

Fisioterapia: profissional que atua na reabilitação de lesões e traumas de acidentes, atividades físicas ou alterações genéticas, ou seja, desempenha atendimento específico para cada necessidade.

O tratamento realizado com um fisioterapeuta consegue recuperar pacientes com dores em suas articulações, órgãos e demais sistemas, fazendo com que os pacientes alcancem novamente a confiança, depois de traumas e, assim, voltar a exercer  atividades diárias com bem-estar.

Psicologia: profissionais que cuidam de pacientes com problemas que afetam as emoções, modo de enxergar a vida, traumas, angústia, dentre outros tipos de problemas.

Embora cuide, acompanhe e trate de sintomas graves de seus pacientes, o psicólogo não pode receitar. Nesse caso, são os psiquiatras, formados em medicina, que podem receitar.

Os profissionais que podem atuar em clínicas, empresas, escolas, sempre oferecendo opções de bem-estar emocional para as pessoas.

Educação física: é uma profissão que está em alta e tudo indica que permanecerá assim. A razão para isso é a busca do ser humano pela saúde, bem-estar e longevidade.

Já é comprovado que a prática de atividades físicas melhora a saúde, a redução de peso nos casos com indicação e também alcança a auto estima, mediante resultados estéticos.

O educador físico pode atuar em escolas como professores de crianças, jovens e adultos, ensinando-os a prática de um esporte e contribuindo para a promoção da saúde desde os primeiros anos de vida.

Também podem atuar no atletismo, esportes em geral, futebol, em hospitais, academias ou de maneira individual, auxiliando as pessoas, por meio de exercícios físicos, evitando assim lesões ou acidentes.

Nutrição: outra profissão de destaque atualmente. Assim como o educador físico, as pessoas buscam na nutrição adequada manter a forma física, a longevidade, evitar doenças e ter muita saúde. E isso o nutricionista tem conhecimento de como manter a forma e manter uma alimentação saudável. Por isso é um profissional importante para ajudar cada indivíduo em suas necessidades particulares.

O profissional também auxilia  pacientes que necessitam reduzir o peso, tratar alguma doença ocasionada pela má alimentação e também por atletas e pessoas que desejam melhor sua parte física.

Hoje em dia, há um crescente interesse no conhecimento das propriedades nutricionais de cada alimento, de maneira que o nutricionista é o profissional apto para ensinar, auxiliar e incentivar seus pacientes em uma melhor forma para se alimentar.

No campo profissional, o nutricionista pode atuar em hospitais para organizar dietas de pessoas doentes, empresas do ramo alimentício, clínicas e em consultórios de maneira particular.

Fonoaudiologia: atua no tratamento de problemas relacionados à audição e à fala. É o profissional que identifica e diagnostica tais distúrbios, independente da faixa etária. Ou seja, os fonoaudiólogos tratam de pacientes  recém-nascidos, crianças, adultos e idosos.

É comum outros profissionais procurarem fonoaudiólogos, principalmente para trabalhar voz, locução e dicção, como é o caso de jornalistas, professores, artistas, cantores e palestrantes.

Odontologia: é o profissional que trata da saúde bucal. A profissão é bem valorizada, especialmente, depois que políticas públicas ampliaram o acesso da população aos serviços de saúde bucal.

Trata-se de um profissional que cuida da boca, gengiva e dentes, elimina as dores e hoje em dia é muito procurado para auxiliar na estética.

Sua atuação é individual. Geralmente, os profissionais montam seus consultórios. Todavia pode atuar também em escolas e instituições governamentais.

O futuro também está na área da saúde

Ainda que as profissões da área da saúde sejam vinculadas ao tradicionalismo, elas não se estacionaram, pelo contrário, elas evoluíram tecnologicamente, proporcionam cada vez mais recursos com novas descobertas e tratamentos.

É o que acontece com a realidade do big data, no auxílio  de informações sobre os pacientes, como, por exemplo, os wearables; dispositivos de monitoramento eletrônico que permite detectar doenças, como também permitir o acompanhamento da saúde do paciente conectados.

Nesse sentido, a inteligência artificial, a realidade virtual, os sensores vestíveis e a telemedicina são recursos adotados nos tratamentos de saúde. Por essa razão que são vários tratamentos os quais a tecnologia se torna verdadeira aliada, como os exemplos a seguir:

Bioinformacionista: é a da combinação da biologia com a informação. Nessa área, o profissional, que entende de computação e biologia, trabalha com as ciências da vida, não somente com a saúde.

Ou seja, investiga informações e faz uso de ferramentas estatísticas e de computação para tratamento e interpretação de dados direcionados à obtenção de resultados e avanços genéticos.

O profissional atua no segmento da medicina personalizada, na formulação de medicamentos sob medida e em ações para prevenção de doenças.

Técnico em telemedicina: atuação que oferece tratamento médico e diagnóstico para pacientes que vivem em áreas remotas.

 Chief Health Officer – diretor de saúde: esse profissional ira atuar  em programas para cuidados com a saúde e reavaliação do sistema de seguros da empresa.

Conselheiro genético: profissional que avalia possíveis condições hereditárias capazes de afetar um indivíduo ou suas futuras gerações, como, por exemplo,  anomalias genéticas, erros inatos do metabolismo e deficiências mentais, dentre outros.

Geomicrobiologistas: é uma profissão que une a geologia, a ciência do meio ambiente e a microbiologia, com a intenção de estudar como os microorganismos podem ajudar a fazer novos medicamentos e a diminuir a poluição.

E, finalmente, a escolha por uma profissão é difícil e suscita dúvidas, por isso:

Qual profissão escolher?

Geralmente, o momento da escolha é aquele no qual o jovem ainda não adquiriu domínio de questões básicas em relação à futura profissão. Certamente, é a decisão mais difícil que irá tomar na vida.

A escolha da profissão define uma escolha de vida profissional, pessoal e familiar que irá se estabelecer para o resto da vida, embora o jovem saiba que tal decisão pode ser alterada no decurso da vida, todavia, ainda assim, deve ser muito bem analisada.

De acordo com especialistas, a escolha profissional está ligada e condicionada às diferentes influências, formas de vida e cultura, além das expectativas familiares, as situações sociais, culturais e econômicas, as oportunidades educacionais, as perspectivas profissionais da localização regional do jovem e o que leva o jovem na sua escolha.

É por isso, então, que todos esses aspectos devem ser levados em consideração e, assim, ao escolher a profissão, o jovem saber que fez a escolha certa.

Por isso, ler e reler este artigo devagar, analisar as informações, fazer auto análise e não desistir por causa das dificuldades, pelo contrário, que os obstáculos sejam a razão para não ter medo e fazer a escolha ideal.

Confira também: